Bloquean cuentas del enemigo de Dilma

AVANZA LA CAUSA POR CORRUPCION CONTRA EL JEFE DE DIPUTADOS EN BRASIL
MarcoAur

Marco Aurélio

La Justicia suiza ya le había bloqueado dos cuentas por sospechas de haber recibido coimas de Petrobras. Ahora un fiscal federal pide que la Justicia brasileña haga lo mismo con cuatro cuentas y que investigue el origen de los fondos.

La Fiscalía de Brasil exigió un nuevo bloqueo de bienes al presidente de la Cámara de Diputados, Eduardo Cunha. tras encontrar “indicios suficientes” de que el dinero depositado en cuentas bancarias suizas proviene de actos ilícitos. El pedido del nuevo bloqueo consta en una solicitud de investigación presentada por la Fiscalía ante el Supremo Tribunal Federal (STF) para saber si, tal como dicen las autoridades suizas, existen cuatro cuentas secretas que pertenecen a Cunha y su esposa, quienes recibieron dinero desviado de Petrobras. Dos de esas cuentas fueron bloqueadas recientemente por la Procuraduría helvética, que después envió al país sudamericano las denuncias contra Cunha. Ahora, como el caso quedó en manos de Brasil, las cuentas podrían ser desbloqueadas en Europa. Por eso, la Fiscalía brasileña quiere ordenar un nuevo bloqueo, con el fin de evitar que eventualmente sean vaciadas. El líder parlamentario negó en declaraciones oficiales tener cuentas en el extranjero, pero desde que las fiscalías de ambos países confirmaron que aquéllas existen guardó silencio sobre el asunto.

Fausto

Fausto

El procurador general en ejercicio, Eugenio Aragao, dijo que no existe “la más mínima duda” de que los titulares de esas cuentas son Cunha y su esposa, Claudia Cruz. “Hay copias de pasaportes, inclusive diplomáticos, de la pareja, domicilio residencial, números de teléfonos del Congreso Nacional y del Palacio de Planalto (Presidencia)”, expresó el fiscal, citado por el periódico paulista O Estado de Sao Paulo.

Cunha fue denunciado el pasado 20 de agosto por el procurador general de la República, Rodrigo Janot, ante el STF por su participación en la trama de corrupción de Petrobras. El fiscal lo acusó de corrupción y lavado de dinero, por sospechar que exigió sobornos a empresas a cambio de conseguirles contratos con la petrolera estatal. Entre los indicios sobre la ilegalidad de las cuentas que sembraron sospechas está el patrimonio de Cunha, que creció un 214 por ciento entre 2002 y 2014. El fiscal Aragao tomó ese dato, entre otros, para afirmar que existen pruebas contundentes de que las cuentas en el exterior no fueron declaradas al fisco y que, al menos en relación a Cunha, “son producto del delito”.

Paixão

Paixão

El líder parlamentario, tercero en la línea sucesoria detrás de la presidenta y su vice, integra junto a éste el Partido del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), el principal aliado del gobierno. No obstante, Cunha rompió relaciones con el Ejecutivo en el marco de una tensa relación en la que el Congreso, a instancias del legislador, propinó sendas derrotas al gobierno.

Por otra parte, uno de los 11 miembros del STF, Marco Aurélio Mello, propuso ayer como solución “no traumática” para el país la renuncia colectiva de la presidenta Dilma Rousseff; su vice, Michel Temer y Cunha. En declaraciones citadas por el diario Folha de Sao Paulo, Mello sostuvo que la renuncia de los tres máximos mandatarios del país podría ser una solución para que Brasil pueda salir de la crisis política y económica que mantiene paralizado al gobierno. “Digo esto como ciudadano y en una perspectiva utópica, ya que sería algo impensable para los actuales detentores del poder”, dijo el juez de la máxima corte del país. “El mal mayor, que es la crisis económica, está siendo dejado en segundo plano a causa de intereses políticos”, señaló. Pero dicha solución, tan improbable como improvisada, pondría al presidente del STF, Ricardo Lewandowski, segundo en la línea sucesoria presidencial, detrás del jefe del Senado, Román Calheiros, que también tambalea en su cargo por su presunta vinculación con corrupción en Petrobras.

Las declaraciones del magistrado se producen cuando Rousseff enfrenta una campaña destituyente que hasta ahora no ha dado resultado. Los pedidos de apertura de juicio político y los dictámenes que apuntan irregularidades en las cuentas de su gobierno anterior, y en las finanzas de su campaña hacia la reelección, no han logrado reunir el apoyo legislativo de la mayoría especial que requiere el Tribunal Supremo Federal para dar curso al enjuiciamiento de la mandataria reelecta hace menos de un año..

En el primer caso, la presidenta puede ser acusada de haber violado la Ley de Responsabilidad Fiscal. En el segundo, si se comprueban las sospechas de que su campaña electoral recibió fondos desviados de la petrolera estatal, puede ser objeto de una invalidación de su elección, lo que llevaría a que cayeran tanto ella como Temer. Respecto a la economía, a los indicadores económicos negativos, como inflación y el desempleo en alza, desvalorización histórica del real y estancamiento de la actividad económica, se sumó el jueves la rebaja de la nota de crédito del país por parte de la agencia de calificación Fitch, que no obstante no le quitó el grado inversor.

En su calidad de presidente de la Cámara baja, Cunha tiene en sus manos la potestad de acoger o archivar los pedidos de apertura de juicio político contra la mandataria, y la prensa especuló el jueves con un acercamiento entre él y el gobierno con intercambio de favores – él rechazaría el pedido de “impeachment” contra Dilma y el Partido de los Trabajadores (PT) le aseguraría su escaño –, pero él mismo negó esas conjeturas en forma tajante. El político evangélico avisó además que no pretende renunciar al cargo pese a las denuncias, pero no adelantó que hará con los pedidos de destitución de la mandataria del PT. In Página 12/ Argentina

Miguel

Miguel

Anúncios

Cunha lavó dinero en nombre de “Jesús”

LUJOS Y DELITOS DEL EVANGELICO DIPUTADO CONSAGRADO A LA MISION DE DERROCAR A DILMA

Cunha compró dos Porsche con dinero obtenido de sobornos en el escándalo del “Petrolao”

Cunha compró dos Porsche con dinero obtenido de sobornos en el escándalo del “Petrolao”

Los detalles de sus delitos, respaldados con documentos llegados de Suiza, donde escondió una fortuna, fueron divulgados tres días después de que Cunha estuvo a un tris de iniciar el proceso de “admisibilidad” del juicio político a Dilma.

Por Darío Pignotti
Página 12/  Argentina

Pasear en Porsche es algo divino. La Justicia brasileña descubrió que Eduardo Cunha, el evangélico diputado consagrado a la misión de derrocar a Dilma Rousseff por considerarla falta de ética, compró dos Porsche Cayenne, con dinero obtenido de sobornos en el escándalo del “Petrolao”. Uno de los Porsche se lo obsequió a su esposa, la periodista Claudia Cruz, muy bonita, de quien tal vez se enamoró cuando ella conducía los noticiosos de la TV Globo. El enemigo público número uno de Dilma lavó dinero sucio de petróleo a través de empresas de fachada como “Jesus.com.” y cuentas bancarias de una iglesia neopentecostal.

Los detalles de esos delitos, respaldados con documentos llegados de Suiza, donde escondió millones de dólares, fueron divulgados el viernes pasado tres días después de que Cunha estuvo a un tris de iniciar el proceso de “admisibilidad” del juicio político. Esto es, el golpe contra Dilma. Cunha, del oficialista (ma non troppo) Partido Movimiento Democrático Brasileño (PMDB) tuvo como aliado al Partido de la Socialdemocracia Brasileña (PSDB) conducido por Aécio Neves, candidato presidencial en 2014 cuando Dilma lo derrotó por un pequeño margen en el ballottage.

El asalto golpista del martes 13 parecía inexorable pero fue neutralizado a último momento por el Supremo Tribunal Federal a través de una medida cautelar que desbarató, por lo pronto, la trama sediciosa acordada por Cunha y los hombres de Neves. Estas dos derrotas consecutivas del plan destituyente, el martes, a través de la cautelar del Supremo, y el viernes con las pruebas que imputan a Cunha, trajeron un respiro al gobierno.

Aunque no fue aventada la amenaza desestabilizadora, que promete continuar por meses sino años, sus principales instigadores Cunha y Neves, quedaron desmoralizados. Y en el caso de Cunha amenazado de un proceso que puede dejarlo sin fueros.

Dilma puede salir del pantano de la ingobernabilidad si sabe sacar provecho del traspié de sus adversarios y revisar los errores cometidos por su gobierno. Pero que nadie espere milagros. La presidenta no recuperará en el corto plazo la popularidad perdida, sólo la respalda el 10 por ciento, ni reactivará de inmediato una economía en recesión de casi el 3 por ciento para 2015. Está malherida pero no moribunda. Y tiene la legitimidad democrática que le reportan más de 54 millones de votos. Los sondeos, mañosos, inducen a creer que más del 60 por ciento de los brasileños apoya el impeachment, cuando lo cierto es que el activismo golpista se sustenta en las clases medias y blancas, las cuales le arrebataron la calle a la izquierda con movilizaciones que convocaron a millones de inconformes este año. No está demostrado que esa rebelión conservadora haya seducido a los sectores populares que, eso sí, rechazan el programa del neoliberal ministro Joaquim Levy que aumentó el desempleo, redujo salarios y recortó los recursos de algunos programas sociales.

Advertido de que Dilma le dio la espalda a sus electores con un programa similar al que hubieran aplicado los socialdemócratas de Neves, Luiz Inácio Lula da Silva comenzó una campaña para moderar el ajuste y promover la salida del titular de Hacienda, Levy. Con sombrero de campesino o sindicalista, según el auditorio, está recorriendo el país para recomponer el diálogo con los movimientos populares. El martes, el día que no ocurrió el golpe, Lula de gorrita con visera roja recibió a Dilma en el Congreso de la Central Unica de los Trabajadores, donde hubo consignas contra el impeachment y de rechazo al supuesto “tercer turno” electoral que quiere forzar Aécio Neves, después de perder en el segundo el año pasado.

Más allá de la mística del acto, donde también estuvo el ex presidente uruguayo José Mujica, se observa que la presidenta aún cuenta con algún margen de maniobra para dialogar con la mayor organización gremial que tiene como bandera el fin del ajuste. A partir de mañana comenzará a develarse la suerte de Levy en Hacienda y del “pemedebista” Eduardo Cunha en la presidencia de Diputados, y con ello el destino de un gobierno incierto.

Samuca

Samuca

“Na Suiça não tem blindagem. Cunha roubou e a madame gastou milhões”

”A oposição junto com o PMDB elegeram e sustentam um corrupto na presidência dessa casa“

contas suiça cunha saia curta

Discurso do deputado federal Jorge Solla na Câmara:

Enquanto o Ministério Público da Suíça revela detalhes da farra com o dinheiro público promovido por Eduardo Cunha e sua esposa, PSDB e DEM apenas sugerem ao corrupto pego com as contas bancárias recheadas de dinheiro sujo que renuncie, como se fosse essa uma decisão que tivesse de ser tomada pelo próprio, num exercício de desprendimento pessoal.

A oposição precisa ser honesta com seus eleitores, fazer uma autocrítica pesada e pedir desculpas ao povo brasileiro por ter colocado Eduardo Cunhana presidência da Câmara. Elegeram, sustentaram e sustentam um corrupto na presidência da Câmara. Fizeram tudo isso conscientes de quem era Eduardo Cunha. Fizeram com o único e exclusivo objetivo de criar instabilidade política, dificuldades para o governo e tentar viabilizar o impeachment de Dilma Rousseff.

Assinei o pedido e cassação de Cunha, que foi entregue ao Conselho de Ética da Câmara. Qualquer atitude que não seja esta é estar conivente com a presença deste senhor no comando da Câmara e merece a repulsa de toda a população.

deputados assinaram cassação Cunha

Veja bem! Apenas um deputado do PMDB e um do Rede assinaram o pedido de cassação de Eduardo Cunha.

Fica comprovado: o partido que tem José Sarney como presidente de honra quer assumir todos os poderes.

O PSDB apenas por vingança, faz parte da conspiração de todo o poder ao PMDB:

Michel Temer (PMDB) presidente do Brasil.

Eduardo Cunha (PMDB), presidente da Câmara dos Deputados, assumirá o lugar de Temer como vice-presidente.

Renan Calheiros (PMDB) continuará presidente do Senado Federal.

Thiago Lucas

Thiago Lucas

O PSOL protocolou na tarde desta terça-feira (13), no Conselho de Ética da Câmara uma representação contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Casa, por quebra de decoro parlamentar. Além de Chico Alencar (RJ), Ivan Valente (SP), Jean Wyllys (RJ), Edmilson Rodrigues (PA) e Glauber Braga (RJ), também apoiam o pedido 43 deputados de partidos como Rede, PT, PPS, PROS, PMDB e PSB.

Para elaborar a representação, que pede a abertura de investigação contra o peemedebista, o PSOL tomou como base o documento enviado na semana passada pela Procuradoria Geral da República (PGR), após um pedido formal do partido, confirmando que Cunha e familiares mantêm contas bancárias secretas na Suíça. Com base nas respostas do procurador-geral, Rodrigo Janot, o partido entende que Cunha mentiu em depoimento à CPI da Petrobras, em março deste ano, quando negou ter contas no exterior.

Segundo explicou o líder na Câmara, deputado Chico Alencar, “ficou patente, com fortes indícios e com uma investigação assumida pelo Ministério Público Federal, que o deputado Eduardo Cunha afrontou a Constituição e o código de ética e decoro parlamentar, no mínimo por utilizar o cargo para obter vantagens indevidas e não prestar as informações obrigatórias”. De acordo com o líder, durante entrevista coletiva à imprensa logo após a entrega da representação, o presidente da Câmara mentiu e praticou corrupção passiva e lavagem de dinheiro, conforme já apontou a Procuradoria Geral da República.

“Outras investigações em curso falam também de evasão de divisas e sonegação fiscal. Portanto, o conjunto da ‘má-obra’ é muito perverso e, claro, ainda mais na função que ocupa e na qual insiste em permanecer, embora vários partidos, inclusive próximos a ele, já tenham pedido para dali se licenciar. Ele quer permanecer no cargo de presidente da Câmara, inclusive como meio de se proteger dessas investigações”, completou Alencar.

No texto da representação, o PSOL considera que os fatos revelados pela Operação Lava-Jato são extremamente graves e expõem, de forma contundente, a corrupção como problema estrutural do Brasil. “Segundo denúncia do Ministério Público, um consórcio criminoso de empreiteiras – as maiores do país – era favorecido em contratos com a Petrobras por diretores corruptos da estatal. Em troca, o consórcio pagava propina a ‘operadores’ indicados por políticos com o objetivo de financiar partidos e campanhas eleitorais, também possibilitando ampliação patrimonial individual”, afirma o documento.

Além da abertura da investigação, o documento pede, ainda, que Eduardo Cunha seja notificado e que preste depoimento no Conselho de Ética, dentro do prazo previsto no Regimento Interno da Casa. Ao final, o partido é taxativo, ao solicitar “a procedência da presente Representação com a recomendação ao Plenário da Câmara dos Deputados da cassação do mandato parlamentar, uma vez que as condutas cometidas pelo Representado são incompatíveis com o decoro parlamentar, na forma do disposto no art. 4º, incisos II e V do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, cuja pena, inscrita no próprio caput do referido art. 4º, é a perda do mandato”.

Confira todo o conteúdo da representação.

Assista ao vídeo do momento em que o PSOL protocolou a representação no Conselho de Ética.

Au Brésil, Eduardo Cunha, l’homme qui menace Dilma Rousseff

par Claire Gatinois/ Le Monde

Dacosta

Dacosta

Humilié, un genou à terre, il compte se venger. Dimanche 4 octobre, le redoutable Eduardo Cunha, président de la Chambre des députés du Brésil, visé par une enquête de corruption, a prévenu sur son compte Twitter que la procédure de destitution de la présidente Dilma Rousseff « ne restera pas dans les tiroirs ». « Je n’ai d’autre rôle que celui-là. Ceux qui parlent aimeraient que je laisse [la procédure de destitution de la présidente] dans un tiroir. Cela n’arrivera pas », a-t-il lancé, défiant son ennemie.

Dilma Rousseff peut trembler. L’homme dispose d’un pouvoir de nuisance à la mesure de son habileté politique. C’est-à-dire colossal. Il l’a démontré lors de son élection à la présidence de la Chambre des députés en février 2015. Non favori, il a su manigancer pour se hisser à la tête de la « Camara ». « Tout le monde a peur de Cunha. Il est extrêmement agile et efficace », observe Gilberto Maringoni, professeur de relations internationales à l’université fédérale ABC, dans la banlieue de Sao Paulo.

« Tout le monde a peur de Cunha. Il est extrêmement agile et efficace »

Affilié au Parti du mouvement démocratique brésilien (PMDB), une immense formation centriste dont les convictions politiques fluctuent selon les circonstances, M. Cunha est décrit comme un opportuniste aux idées très conservatrices. Opposé à l’avortement et au mariage pour tous, favorable à l’abaissement de la minorité pénale à 16 ans, il est évangélique et proche d’une partie des milieux d’affaires qui financent des campagnes politiques

Gregorio Duvivier: “O Congresso está cheio de fiscais de cu”

gregorio_duvivier

Em entrevista exclusiva, o ator fala sobre a falta de representatividade da população no Legislativo, os recentes protestos contra o governo, o conservadorismo da imprensa brasileira, as contradições do capitalismo e o humor como ferramenta de transformação social; confira

Por Maíra Streit

Gregorio Duvivier é ator, escritor, roteirista, empresário, faz cinema, TV e teatro, mantém uma coluna na Folha de S. Paulo e há anos conquistou sucesso com o grupo Porta dos Fundos, que ajudou a criar. É apontado como um dos grandes talentos de sua geração, mas tem – mesmo que involuntariamente – colecionado polêmicas desde que passou a falar sobre sua visão diante do cenário político do país.

Nessa entrevista, ele comenta a falta de representatividade da população no Legislativo, os recentes protestos contra o governo, o conservadorismo da imprensa brasileira, as contradições do capitalismo e o humor como ferramenta de transformação social. “O pior perigo é infantilizar o público, torná-lo bobo, vazio, ingênuo. Para mim, o maior atrativo e a força de uma piada residem na irreverência”, afirma.

Confira abaixo.

Fórum – Gregorio, você faz parte de uma geração nascida nos anos 1980, que foi uma década importante para o país do ponto de visto sociopolítico, com o fim da ditadura militar, a redemocratização, Diretas Já, uma nova Constituição. Como você avalia o momento em que vivemos hoje?

Gregorio Duvivier – Temos uma democracia jovem, que nasceu junto com a gente. Nascemos com um presidente que nem tinha sido eleito diretamente. Acho que isso é muito sintomático. Temos uma democracia muito verde. Então, as pessoas, sobretudo as mais velhas, não estão acostumadas a discutir. A geração dos meus pais está muito traumatizada com a política. Meus pais acham política um nojo, apesar de serem de esquerda. E com razão.

Quando eles eram jovens, era Arena ou MDB. Não tinha muita alternativa. Essa é a primeira geração que viu que consegue eleger representantes e consegue acreditar que política pode fazer a diferença. Ao mesmo tempo, a gente precisa entender que a política é diferente do futebol. Às vezes a gente tenta transportar a mesma rivalidade. No futebol, você é aquilo para o resto da vida e vai defender o seu time para sempre. Na política, não existe uma verdade absoluta.

A democracia ainda é frágil. Nunca o Brasil ficou tanto tempo quanto agora, nunca teve mais de 30 anos de democracia. Nossa história não é de paz, é de extrema violência. Qualquer levante popular era reprimido com muita violência. Não somos um povo pacífico, mas um povo apassivado.

“Temos uma democracia muito verde. Então, as pessoas, sobretudo as mais velhas, não estão acostumadas a discutir (Foto: Maíra Streit)”

“Temos uma democracia muito verde. Então, as pessoas, sobretudo as mais velhas, não estão acostumadas a discutir (Foto: Maíra Streit)”

Fórum – Isso explica algumas reações de intolerância que temos visto? Você mesmo foi vítima de constrangimentos por colocar suas opiniões políticas. Ainda há muita imaturidade nesse aspecto?

Duvivier – A gente é muito imaturo, não sabe lidar com as discordâncias. Não sabe ler e discernir opiniões. A mídia no Brasil tem uma ligação muito forte com o poder, sobretudo a impressa. Algumas têm ligação com o governo, outras com a oposição. Parece que não interessa problematizar a questão. Falam da regulamentação da mídia e isso vira “censura”. É esse conflito de interesses. A relação público-privada no Brasil é o nosso câncer. Como o privado financia e manda no público! E, no caso dos jornais, é o público financiando o privado.

“O Congresso Nacional reflete muito mais o interesse privado do que o público. As empresas elegem os seus representantes (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)”

“O Congresso Nacional reflete muito mais o interesse privado do que o público. As empresas elegem os seus representantes (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)”

Fórum – Essa questão de o privado financiar o público também lembra muito a formação do nosso Congresso.

Duvivier – O Congresso Nacional reflete muito mais o interesse privado do que o público. As empresas elegem os seus representantes. Empresa não faz doação, faz investimento. E tem retorno, senão elas não iriam continuar. O Congresso funciona para quem paga. É muito louco que isso seja permitido. Tem claramente o nome de cada deputado que votou pelo financiamento privado [de campanhas eleitorais]. Você vê quem está interessado em perpetuar o poder.

As pessoas não estão interessadas. É uma fonte segura, oficial, está lá o nome daqueles que votaram, com uma manobra totalmente espertalhona do Eduardo Cunha. A gente tem essa dificuldade de saber contra quem está lutando. É importante relativizar e entender que as opiniões do jornal são muitas vezes incentivadas por seus investidores.

Fórum – A impressão que dá é que a população tem ido mais às ruas, mas com uma pauta ainda muito difusa. Você acha que, mais do que promover protestos esporádicos, é importante que os cidadãos se preocupem em acompanhar a política, as discussões do Congresso e incluir essas questões no seu cotidiano?

Duvivier – Exatamente! Muita gente foi às ruas de São Paulo contra a terceirização e contra o PT, mas o PT é contra a terceirização. E só você ver que a pessoa contra quem você está lutando está ao seu lado. O PT é contra o financiamento privado. É você ir às ruas pelas razões certas. Sou crítico ao PT, mas acho que temos que bater pela esquerda. E os direitos LGBT? E os direitos indígenas? E o meio ambiente? Bater por esse lado. É muito mais importante a gente bater do lado certo, até porque é importante lembrar que o PT e a Dilma são oposição, não têm maioria no Congresso. Temos uma presidenta que é oposição dentro do próprio governo.

Fórum – Você é bastante procurado para falar sobre política. Como foi se transformar no cara que a direita ama odiar (em especial, os colunistas da Veja)?

Duvivier – (Risos) A primeira palavra que eu li na minha vida foi “Veja” – nunca falei isso. A revista tinha uma importância muito grande e, por um tempo, achei que fosse investigativa, como todo jornalismo deve ser. Eu achava que a Veja era, até começar a ligar os pontos e ver que todos os colunistas falam a mesma coisa, todos escrevem a mesma coluna. Isso para mim é uma vantagem da Folha, que tem o [Luiz Felipe] Pondé, o [Vladimir] Safatle, o Reinaldo Azevedo, o [Guilherme] Boulos. A pessoa tem o direito de achar o que quiser. Mas lá são travestidos de articulistas, e até mesmo de cronistas, quando na verdade são replicadores.

Fórum – E por que eles parecem ter uma fixação pela sua figura?

Duvivier – Consciência social incomoda, e vem esse rótulo de “esquerda caviar”. Incomoda muito a eles que uma pessoa possa ter um conceito social. Se o vegetariano incomoda o carnívoro, incomoda porque o faz pensar, ele se sente culpado e ataca. Da mesma maneira, a pessoa que tem consciência social exacerba a culpa daquele que não tem.

Como a esquerda teoricamente está no poder, eles se acham oposição, mas o poder no Brasil nunca trocou, de fato, de mãos. Eles não são oposição, são governistas no sentido de que são a favor da perpetuação, não querem a mudança, por isso são reacionários. Eles são pela continuação do que sempre foi. O Brasil nunca alternou o poder de fato.

Tivemos uma tímida tentativa com o Lula e a distribuição de renda, mas não podemos chamar de alternância de poder, com o PMDB mandando. É bom a gente lembrar que o PT, que é tão atacado, não é quem está mandando. Eduardo Cunha tira e põe qualquer ministro, aprova e desaprova qualquer emenda. É importante a gente lembrar disso.

“O problema dos capitalistas é que as mesmas pessoas que prezam pela independência do mercado não prezam pela independência do ser humano (Foto: Reprodução/Facebook)”

“O problema dos capitalistas é que as mesmas pessoas que prezam pela independência do mercado não prezam pela independência do ser humano”

Fórum – E sobre a onda conservadora que tem tomado o país… O que você pensa quando se dá conta de que, em pleno século XXI, a gente ainda discute se o conceito de família pode ir além de homem, mulher e filhos? Tem, inclusive, uma enquete da Câmara sobre isso.
Duvivier – Essa simples pergunta [proposta pela enquete] é criminosa. O fato de estar sendo feita já é criminoso. É a mesma coisa de perguntar se os índios são seres humanos. Já está equivocado só de fazê-la. E é feita de uma maneira totalmente indutiva. Você acha que todo ser humano tem o direito de ter uma família, independentemente da orientação sexual? Tinha que ser assim.

É triste, além do resultado, saber que isso está em pauta no Brasil. Isso para qualquer país minimamente civilizado. Parece uma discussão da escravidão, para saber se os negros tinham alma. É a mesma coisa, o mesmo nível. O brasileiro ainda está no século XVII, é muito triste que a direita seja tão conservadora.

O problema dos capitalistas é que as mesmas pessoas que prezam pela independência do mercado não prezam pela independência do ser humano. O mercado tem que ser livre, mas o ser humano tem que ser regulado. Regulamentação para o ser humano, mas liberdade para as empreiteiras. O mínimo de coerência tem que ser necessária. O Congresso está cheio de fiscais de cu.

Liberdade para os bancos, as empreiteiras e o poder de modo geral, mas a mulher e o transexual, esses eu quero regulamentar tudo o que fazem na vida privada. Aí entra o aborto, que é uma questão de saúde pública e da mulher, está longe de ser uma discussão ética ou religiosa. Mas ainda baseiam as argumentações no aspecto religioso.

Fórum – Falando um pouco sobre isso, o humor pode ser uma ferramenta importante de transgressão, mas às vezes acaba reforçando estereótipos. O Porta dos Fundos vem na contramão. Há quem diga que o mundo está ficando mais chato por causa do “politicamente correto”. Mas talvez esteja ficando chato para os machistas, racistas e homofóbicos que sempre puderam agir sem serem incomodados, né?

Duvivier – Eu nunca vi um negro dizendo que tem saudade da época que faziam piadas racistas. Ou um homossexual. Em geral, quem tem saudade é aquele que fazia as piadas e não aqueles que sofriam. O humor pode ser usado para tudo. Pode ser para libertar ou para oprimir. É como a pólvora, que pode servir para uma chacina ou para fogos de artifício. Você pode matar ou pode salvar gente.

O que me incomoda é quando o humorista diz que é só uma piada. É o meu ganha-pão, é o que dá sentido à minha vida. Não é só uma piada. O médico não diz “É só uma cirurgia; se morrer, não tem problema”. Tem que levar mais a sério. Os humoristas que eu mais admiro levam muito a sério. Como o Chaplin, que fez um filme sobre Hitler quando as pessoas ainda não entendiam direito aquele sujeito.

Ele foi um dos responsáveis pela adesão dos Aliados contra o Nazismo. Ele mostrou o ridículo do Nazismo quando ninguém estava vendo. É menos engraçado por isso? Não, é muito mais. Agora, as charges antissemitas daquela época, ninguém lembra delas. O humor não é sempre libertário, não é. Assim como tem hoje o humor homofóbico e racista. Ele pode ser uma ferramenta de opressão, mas ele é muito poderoso quando é usado como ferramenta de libertação.

Temos O Pasquim, que batia na ditadura, em uma tradição de humor político. Foi muito representativo, um humor que está à frente de muitas coisas que fazemos até hoje e eles faziam em plena ditadura, foi muito ousado. É a prova de que o humor não perde a graça quando ele é consciente. O humor não é necessariamente ingênuo ou ignorante. Diziam que o que faz sucesso na internet é o tosco, diziam isso quando começamos no Porta dos Fundos. E a gente acreditava que não. O público da internet não é mais burro que o da televisão, muito pelo contrário.

Temos a TV Pirata, O Pasquim, Chico Anysio, Jô Soares. A gente tem uma tradição de humor responsável, inteligente, crítico. É importante a gente resgatar essa função para o humor e mostrar que é viável. O pior perigo é infantilizar o público, torná-lo bobo, vazio, ingênuo. Para mim, o maior atrativo e a força de uma piada residem na irreverência dela. Humor não é chutar o mendigo, é passar a mão na bunda do guarda. Aí é engraçado. O combustível, para mim, é esse. É o risco.

Sobre Chaplin: “Ele mostrou o ridículo do Nazismo quando ninguém estava vendo. É menos engraçado por isso? Não, é muito mais

Sobre Chaplin: “Ele mostrou o ridículo do Nazismo quando ninguém estava vendo. É menos engraçado por isso? Não, é muito mais”

Manobra de Cunha prevalece e Câmara aprova financiamento privado para empresas

Deputados do PCdoB, PT, Psol e PSB protestaram e acusaram presidente de aplicar golpe, por insistir em votar tema já vencido na noite anterior

Confira como votou cada deputado

campanha financiamento

Por Hylda Cavalcanti,

Da RBA

Numa virada total do que já havia sido aprovado e depois de várias acusações de manobra por parte do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no final da noite de quarta-feira (27), a inclusão na Constituição do financiamento privado de campanha para partidos políticos, por 330 votos a favor e 141 contra. Os parlamentares também aprovaram o fim da reeleição para os cargos de presidente, governador e prefeito. A votação, que aconteceu sob clima tenso, foi marcada por protestos das bancadas do PT, PCdoB, Psol e PSB, que não aceitaram o fato de Cunha ter colocado outra vez em apreciação emendas sobre um tema que já tinha sido votado e derrotado na sessão da noite anterior.

Cunha financiamento campanha

A retomada da votação sobre financiamento de campanha se deu devido a uma estratégia do presidente, que resolveu fatiar a discussão do tema em três itens diferentes. Com a apresentação do texto diretamente no plenário, foram apresentadas quatro emendas, uma que permitia financiamento público e privado ao mesmo tempo (já rejeitada na sessão anterior), e outras três que tratavam de: financiamento privado apenas para partidos– e não para diretamente para os candidatos –, financiamento público e privado para partidos e financiamento exclusivamente público.

Cunha argumentou que, regimentalmente, era necessário votar todas as emendas. Segundo o líder do PT, deputado Sibá Machado (AC), que não concordou com a nova votação, “regimentalmente ele pode até estar certo, mas o que se trata é de quebra de um acordo”.

“Nós do PT acertamos um procedimento de votação durante a reunião de líderes e o cumprimos rigorosamente. A emenda 22, votada na sessão anterior, englobou todos os termos do financiamento e não nos cabe votar nada mais sobre isso aqui”, destacou Machado. “O plenário não pode voltar a deliberar. A nova votação traz insegurança para os parlamentares”, contestou também o deputado Glauber Braga (PSB-RJ).

A justificativa de que Cunha estava certo partiu do líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), e também do autor da emenda que acabou aprovada, o deputado Celso Russomanno (PRB-SP). “O texto que perdeu autorizava doações de empresas a candidatos e partidos, enquanto o aprovado nesta quarta-feira permite as doações empresariais apenas aos partidos. Há uma diferença substancial no mérito”, argumentou Leonardo Picciani.

“Os deputados derrotaram o texto na sessão anterior por não concordar com doações de empresas diretamente a candidatos. Muitos achavam que não estava certo o financiamento direto, que ele cria compromisso do candidato com a empresa, o que não é claro”, acrescentou Russomanno.

Para o deputado Wadih Damous (PT-RJ), que já presidiu a seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio de Janeiro, “a democracia brasileira sofreu um golpe”. “O presidente da Casa, que não aceita resultado contrário à sua vontade, em esdrúxula interpretação do regimento interno, pôs para votar novamente o financiamento empresarial das campanhas. Em menos de 24 horas, diversos deputados ‘mudaram’ de ideia. Isso significa enlamear a Constituição. E enfiar a marmelada goela abaixo do povo brasileiro”, reclamou, após o resultado. Na prática, 76 parlamentares mudaram seu voto a favor do financiamento de campanhas por empresas.

“A contribuição empresarial de campanhas já foi votada e rejeitada por este plenário. Vocês têm que aceitar essa derrota e seguir adiante com os outros temas. Chega de golpe”, criticou a deputada Maria do Rosário Nunes (PT-RS).

Com a inclusão na Constituição da permissão para doação de empresas a partidos políticos, os deputados impedem que esse modelo de financiamento seja considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – onde tramita uma ação que avalia este tema e sobre a qual seis ministros do tribunal já se posicionaram contra tal modelo de financiamento. A ação foi impetrada pela OAB e há mais de um ano está parada por conta de um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

Confira aqui como votou cada deputado.

financiamento campanha eleição voto

TERCEIRIZAÇÃO Conheça o voto do seu deputado

Novo empregado apresentação por Eneko trabalho emprego

 

A Câmara dos Deputados aprovou na noite da quarta-feira 8, por 324 votos a favor, 137 contra e duas abstenções, o texto principal do projeto de lei que trata da regulamentação do trabalho terceirizado no Brasil. Os destaques e sugestões de alterações serão discutidos na próxima semana.

Apenas três partidos – PT, PCdoB e PSOL – orientaram seus parlamentares a votar contra o projeto. O Pros e o bloco formado por PRB, PTN, PMN, PRP, PSDC, PRTB, PTC, PSL e PTdoB liberaram as bancadas.

PSDB, PSD, PR, PSB, DEM, PDT, Solidariedade, PPS, PV e o bloco composto por PMDB, PP, PTB, PSC, PHS e PEN determinaram voto a favor da terceirização.

Os partidos da direita e da extrema-direita votaram favoráveis ao emprego indireto, terceirizado e precário. Isto é, votaram contra os direitos humanos e os direitos dos trabalhadores. Clique nas tags deste blogue para conhecer os efeitos maléficos da terceirização.

Zop

Zop

Veja como votou cada deputado, conforme lista disponível no site da Câmara dos Deputados:

DEM

Alberto Fraga DF Sim
Alexandre Leite SP Sim
Carlos Melles MG Sim
Efraim Filho PB Sim
Eli Côrrea Filho SP Sim
Elmar Nascimento BA Sim
Felipe Maia RN Sim
Hélio Leite PA Sim
Jorge Tadeu Mudalen SP Sim
José Carlos Aleluia BA Sim
Mandetta MS Sim
Misael Varella MG Sim
Moroni Torgan CE Não
Onyx Lorenzoni RS Sim
Osmar Bertoldi PR Sim
Pauderney Avelino AM Sim
Paulo Azi BA Sim
Professora Dorinha Seabra Rezende TO Não
Rodrigo Maia RJ Sim
Total DEM: 19

PCdoB

Alice Portugal BA Não
Aliel Machado PR Não
Carlos Eduardo Cadoca PE Sim
Chico Lopes CE Não
Daniel Almeida BA Não
Davidson Magalhães BA Não
Jandira Feghali RJ Não
Jô Moraes MG Não
João Derly RS Não
Luciana Santos PE Não
Orlando Silva SP Não
Rubens Pereira Júnior MA Não
Wadson Ribeiro MG Não
Total PCdoB: 13

PDT

Abel Mesquita Jr. RR Sim
Afonso Motta RS Sim
André Figueiredo CE Sim
Dagoberto MS Sim
Damião Feliciano PB Não
Deoclides Macedo MA Sim
Félix Mendonça Júnior BA Sim
Flávia Morais GO Sim
Giovani Cherini RS Sim
Major Olimpio SP Sim
Marcelo Matos RJ Não
Marcos Rogério RO Não
Mário Heringer MG Sim
Roberto Góes AP Sim
Sergio Vidigal ES Sim
Subtenente Gonzaga MG Não
Weverton Rocha MA Sim
Wolney Queiroz PE Não
Total PDT: 18

PEN

André Fufuca MA Sim
Junior Marreca MA Sim
Total PEN: 2

PHS

Adail Carneiro CE Sim
Carlos Andrade RR Sim
Diego Garcia PR Não
Kaio Maniçoba PE Sim
Marcelo Aro MG Sim
Total PHS: 5

PMDB

Alceu Moreira RS Sim
Baleia Rossi SP Sim
Cabuçu Borges AP Sim
Carlos Henrique Gaguim TO Sim
Carlos Marun MS Sim
Celso Jacob RJ Sim
Celso Maldaner SC Sim
Celso Pansera RJ Sim
Daniel Vilela GO Sim
Danilo Forte CE Sim
Darcísio Perondi RS Sim
Dulce Miranda TO Sim
Edinho Bez SC Sim
Edio Lopes RR Sim
Eduardo Cunha RJ Art. 17
Elcione Barbalho PA Sim
Fabio Reis SE Sim
Fernando Jordão RJ Sim
Flaviano Melo AC Sim
Geraldo Resende MS Sim
Hermes Parcianello PR Não
Hildo Rocha MA Sim
Hugo Motta PB Sim
Jarbas Vasconcelos PE Sim
João Arruda PR Não
João Marcelo Souza MA Sim
José Fogaça RS Sim
Josi Nunes TO Sim
Laudivio Carvalho MG Sim
Lelo Coimbra ES Sim
Leonardo Picciani RJ Sim
Leonardo Quintão MG Sim
Lindomar Garçon RO Sim
Lucio Mosquini RO Não
Lucio Vieira Lima BA Sim
Manoel Junior PB Sim
Marcelo Castro PI Sim
Marcos Rotta AM Sim
Marinha Raupp RO Não
Marquinho Mendes RJ Sim
Marx Beltrão AL Sim
Mauro Lopes MG Sim
Mauro Mariani SC Sim
Mauro Pereira RS Sim
Newton Cardoso Jr MG Sim
Osmar Serraglio PR Sim
Osmar Terra RS Não
Pedro Chaves GO Sim
Rodrigo Pacheco MG Sim
Rogério Peninha Mendonça SC Sim
Ronaldo Benedet SC Sim
Roney Nemer DF Sim
Saraiva Felipe MG Sim
Sergio Souza PR Sim
Silas Brasileiro MG Sim
Soraya Santos RJ Sim
Valdir Colatto SC Sim
Veneziano Vital do Rêgo PB Sim
Vitor Valim CE Não
Walter Alves RN Sim
Washington Reis RJ Sim
Total PMDB: 61

PMN

Dâmina Pereira MG Sim
Hiran Gonçalves RR Sim
Total PMN: 2

PP

Afonso Hamm RS Sim
Aguinaldo Ribeiro PB Sim
Arthur Lira AL Sim
Beto Rosado RN Sim
Cacá Leão BA Sim
Conceição Sampaio AM Sim
Covatti Filho RS Sim
Dilceu Sperafico PR Sim
Dimas Fabiano MG Sim
Eduardo da Fonte PE Sim
Esperidião Amin SC Sim
Ezequiel Fonseca MT Sim
Fernando Monteiro PE Sim
Guilherme Mussi SP Sim
Iracema Portella PI Sim
Jerônimo Goergen RS Sim
Jorge Boeira SC Não
José Otávio Germano RS Sim
Julio Lopes RJ Sim
Lázaro Botelho TO Sim
Luis Carlos Heinze RS Sim
Luiz Fernando Faria MG Sim
Marcelo Belinati PR Não
Marcus Vicente ES Sim
Mário Negromonte Jr. BA Sim
Missionário José Olimpio SP Sim
Nelson Meurer PR Não
Odelmo Leão MG Sim
Paulo Maluf SP Sim
Renato Molling RS Sim
Ricardo Barros PR Sim
Roberto Balestra GO Sim
Roberto Britto BA Sim
Ronaldo Carletto BA Sim
Sandes Júnior GO Sim
Simão Sessim RJ Sim
Toninho Pinheiro MG Sim
Total PP: 37

PPS

Alex Manente SP Sim
Arnaldo Jordy PA Não
Carmen Zanotto SC Sim
Eliziane Gama MA Não
Hissa Abrahão AM Sim
Marcos Abrão GO Sim
Moses Rodrigues CE Não
Raul Jungmann PE Sim
Roberto Freire SP Sim
Rubens Bueno PR Sim
Sandro Alex PR Sim
Total PPS: 11

PR

Aelton Freitas MG Sim
Alfredo Nascimento AM Sim
Altineu Côrtes RJ Sim
Anderson Ferreira PE Sim
Bilac Pinto MG Sim
Cabo Sabino CE Não
Capitão Augusto SP Sim
Clarissa Garotinho RJ Não
Dr. João RJ Sim
Francisco Floriano RJ Sim
Giacobo PR Sim
Gorete Pereira CE Sim
João Carlos Bacelar BA Não
Jorginho Mello SC Sim
José Rocha BA Sim
Lincoln Portela MG Não
Luiz Cláudio RO Sim
Luiz Nishimori PR Sim
Magda Mofatto GO Sim
Marcio Alvino SP Sim
Maurício Quintella Lessa AL Sim
Miguel Lombardi SP Sim
Milton Monti SP Sim
Paulo Feijó RJ Sim
Remídio Monai RR Sim
Silas Freire PI Não
Tiririca SP Não
Vinicius Gurgel AP Sim
Wellington Roberto PB Sim
Zenaide Maia RN Abstenção
Total PR: 30

PRB

Alan Rick AC Sim
André Abdon AP Sim
Antonio Bulhões SP Não
Beto Mansur SP Sim
Carlos Gomes RS Sim
César Halum TO Sim
Cleber Verde MA Sim
Fausto Pinato SP Sim
Jhonatan de Jesus RR Sim
Jony Marcos SE Não
Marcelo Squassoni SP Sim
Márcio Marinho BA Não
Roberto Sales RJ Sim
Ronaldo Martins CE Não
Rosangela Gomes RJ Sim
Tia Eron BA Sim
Vinicius Carvalho SP Sim
Total PRB: 17

PROS

Ademir Camilo MG Não
Antonio Balhmann CE Sim
Beto Salame PA Não
Domingos Neto CE Sim
Dr. Jorge Silva ES Sim
Givaldo Carimbão AL Sim
Hugo Leal RJ Sim
Leônidas Cristino CE Sim
Miro Teixeira RJ Não
Ronaldo Fonseca DF Sim
Valtenir Pereira MT Sim
Total PROS: 11

PRP

Alexandre Valle RJ Sim
Juscelino Filho MA Sim
Marcelo Álvaro Antônio MG Sim
Total PRP: 3

PSB

Adilton Sachetti MT Sim
Átila Lira PI Não
Bebeto BA Não
Fabio Garcia MT Sim
Fernando Coelho Filho PE Sim
Flavinho SP Sim
Glauber Braga RJ Não
Gonzaga Patriota PE Sim
Heitor Schuch RS Não
Heráclito Fortes PI Sim
Janete Capiberibe AP Não
João Fernando Coutinho PE Sim
José Reinaldo MA Sim
Jose Stédile RS Não
Júlio Delgado MG Sim
Keiko Ota SP Sim
Leopoldo Meyer PR Sim
Luciano Ducci PR Sim
Luiz Lauro Filho SP Sim
Luiza Erundina SP Não
Maria Helena RR Não
Marinaldo Rosendo PE Sim
Pastor Eurico PE Sim
Paulo Foletto ES Sim
Rodrigo Martins PI Sim
Stefano Aguiar MG Sim
Tadeu Alencar PE Não
Tenente Lúcio MG Sim
Tereza Cristina MS Sim
Vicentinho Júnior TO Sim
Total PSB: 30

PSC

Andre Moura SE Sim
Erivelton Santana BA Sim
Gilberto Nascimento SP Sim
Irmão Lazaro BA Sim
Júlia Marinho PA Sim
Marcos Reategui AP Não
Pr. Marco Feliciano SP Não
Professor Victório Galli MT Sim
Raquel Muniz MG Sim
Silvio Costa PE Sim
Total PSC: 10

PSD

Alexandre Serfiotis RJ Sim
Átila Lins AM Sim
Cesar Souza SC Sim
Danrlei de Deus Hinterholz RS Não
Delegado Éder Mauro PA Abstenção
Diego Andrade MG Sim
Evandro Rogerio Roman PR Sim
Fábio Faria RN Sim
Fábio Mitidieri SE Sim
Fernando Torres BA Sim
Francisco Chapadinha PA Sim
Goulart SP Sim
Herculano Passos SP Sim
Heuler Cruvinel GO Sim
Irajá Abreu TO Sim
Jaime Martins MG Sim
Jefferson Campos SP Sim
João Rodrigues SC Sim
Joaquim Passarinho PA Sim
José Carlos Araújo BA Sim
José Nunes BA Sim
Júlio Cesar PI Sim
Marcos Montes MG Sim
Ricardo Izar SP Sim
Rogério Rosso DF Sim
Rômulo Gouveia PB Sim
Sérgio Brito BA Sim
Sergio Zveiter RJ Sim
Sóstenes Cavalcante RJ Não
Walter Ihoshi SP Sim
Total PSD: 30

PSDB

Alexandre Baldy GO Sim
Alfredo Kaefer PR Sim
Antonio Imbassahy BA Sim
Arthur Virgílio Bisneto AM Sim
Betinho Gomes PE Sim
Bruna Furlan SP Sim
Bruno Covas SP Sim
Caio Narcio MG Sim
Célio Silveira GO Sim
Daniel Coelho PE Sim
Delegado Waldir GO Sim
Domingos Sávio MG Sim
Eduardo Barbosa MG Sim
Eduardo Cury SP Sim
Fábio Sousa GO Sim
Geovania de Sá SC Não
Giuseppe Vecci GO Sim
Izalci DF Sim
João Campos GO Sim
João Castelo MA Sim
João Gualberto BA Sim
João Paulo Papa SP Sim
Lobbe Neto SP Sim
Luiz Carlos Hauly PR Sim
Mara Gabrilli SP Não
Marco Tebaldi SC Sim
Marcus Pestana MG Sim
Mariana Carvalho RO Sim
Miguel Haddad SP Sim
Nelson Marchezan Junior RS Sim
Nilson Leitão MT Sim
Nilson Pinto PA Sim
Otavio Leite RJ Sim
Paulo Abi-Ackel MG Sim
Pedro Cunha Lima PB Sim
Pedro Vilela AL Sim
Raimundo Gomes de Matos CE Sim
Ricardo Tripoli SP Sim
Rocha AC Sim
Rodrigo de Castro MG Sim
Rogério Marinho RN Sim
Rossoni PR Sim
Samuel Moreira SP Sim
Shéridan RR Sim
Silvio Torres SP Sim
Vitor Lippi SP Sim
Total PSDB: 46

PSDC

Aluisio Mendes MA Sim
Luiz Carlos Ramos RJ Sim
Total PSDC: 2

PSL

Macedo CE Não
Total PSL: 1

PSOL

Cabo Daciolo RJ Não
Chico Alencar RJ Não
Edmilson Rodrigues PA Não
Ivan Valente SP Não
Jean Wyllys RJ Não
Total PSOL: 5

PT

Adelmo Carneiro Leão MG Não
Afonso Florence BA Não
Alessandro Molon RJ Não
Ana Perugini SP Não
Andres Sanchez SP Não
Angelim AC Não
Arlindo Chinaglia SP Não
Assis Carvalho PI Não
Assis do Couto PR Não
Benedita da Silva RJ Não
Beto Faro PA Não
Bohn Gass RS Não
Caetano BA Não
Carlos Zarattini SP Não
Chico D Angelo RJ Não
Décio Lima SC Não
Enio Verri PR Não
Erika Kokay DF Não
Fabiano Horta RJ Não
Fernando Marroni RS Não
Givaldo Vieira ES Não
Helder Salomão ES Não
Henrique Fontana RS Não
João Daniel SE Não
Jorge Solla BA Não
José Airton Cirilo CE Não
José Guimarães CE Não
José Mentor SP Não
Leo de Brito AC Não
Leonardo Monteiro MG Não
Luiz Couto PB Não
Luiz Sérgio RJ Não
Luizianne Lins CE Não
Marco Maia RS Não
Marcon RS Não
Margarida Salomão MG Não
Maria do Rosário RS Não
Merlong Solano PI Não
Moema Gramacho BA Não
Nilto Tatto SP Não
Odorico Monteiro CE Não
Padre João MG Não
Paulão AL Não
Paulo Pimenta RS Não
Paulo Teixeira SP Não
Pedro Uczai SC Não
Professora Marcivania AP Não
Ságuas Moraes MT Não
Sibá Machado AC Não
Toninho Wandscheer PR Não
Valmir Assunção BA Não
Valmir Prascidelli SP Não
Vander Loubet MS Não
Vicente Candido SP Não
Vicentinho SP Não
Waldenor Pereira BA Não
Weliton Prado MG Não
Zé Carlos MA Não
Zé Geraldo PA Não
Zeca Dirceu PR Não
Zeca do Pt MS Não
Total PT: 61

PTB

Adelson Barreto SE Sim
Alex Canziani PR Sim
Antonio Brito BA Sim
Arnaldo Faria de Sá SP Não
Arnon Bezerra CE Sim
Benito Gama BA Sim
Deley RJ Não
Eros Biondini MG Não
Jorge Côrte Real PE Sim
Josué Bengtson PA Sim
Jovair Arantes GO Sim
Jozi Rocha AP Sim
Luiz Carlos Busato RS Sim
Nelson Marquezelli SP Sim
Nilton Capixaba RO Sim
Paes Landim PI Sim
Pedro Fernandes MA Não
Ricardo Teobaldo PE Sim
Ronaldo Nogueira RS Não
Walney Rocha RJ Sim
Wilson Filho PB Sim
Zeca Cavalcanti PE Não
Total PTB: 22

PTC

Brunny MG Não
Uldurico Junior BA Não
Total PTC: 2

PTdoB

Luis Tibé MG Sim
Pastor Franklin MG Sim
Total PTdoB: 2

PTN

Bacelar BA Não
Christiane de Souza Yared PR Não
Delegado Edson Moreira MG Sim
Renata Abreu SP Sim
Total PTN: 4

PV

Evair de Melo ES Sim
Evandro Gussi SP Sim
Fábio Ramalho MG Sim
Leandre PR Sim
Victor Mendes MA Sim
William Woo SP Sim
Total PV: 6

Solidariedade

Arthur Oliveira Maia BA Sim
Augusto Carvalho DF Sim
Augusto Coutinho PE Sim
Aureo RJ Sim
Benjamin Maranhão PB Sim
Carlos Manato ES Sim
Elizeu Dionizio MS Sim
Expedito Netto RO Sim
Ezequiel Teixeira RJ Sim
Genecias Noronha CE Sim
Laercio Oliveira SE Sim
Lucas Vergilio GO Sim
Paulo Pereira da Silva SP Sim
Zé Silva MG Sim
Total Solidariedade: 14