NU, poema de Cláudia Gonçalves


O jornaleiro

nu

na pele crua
a verdadeira face
face à carne
faz-se nua

– farto
o homem
em descaminhos

revira o lixo da história
procura pétalas
– asas
escassas

na sorte da rua
colhendo migalhas
da própria amargura

sem lume
e nenhum perfume
volta ao beco

– ainda oco de tanto eco –

Ver o post original

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s