Papa alerta sobre as 15 doenças que atingem o Poder


lemonde.750

 

É o raio que não termina. O papa Francisco continua aproveitando qualquer oportunidade para denunciar os pecados da Cúria. Com carinho, mas também com dureza. O papa Francisco aproveitou a fala de natal para os homens que o ajudam – mesmo que nem sempre – a dirigir os destinos da Igreja para adverti-los sobre as doenças mais comuns que minam a saúde do Vaticano. Desde “sentirem-se imortais e indispensáveis” ao Alzheimer espiritual – a perda da memória de Deus –, passando pelo mundano, o exibicionismo, a vaidade e “o terrorismo dos boatos”. Uma lista de 15 doenças e seus possíveis tratamentos.

A relação não tem desperdício, portanto a seguir estão resumidas uma por uma e por ordem. A primeira das 15 doenças da Cúria enumeradas por Bergoglio em sua longa fala – apoiada em citações do Evangelho e de várias encíclicas – é a de “sentirem-se imortais, imunes” e até mesmo “indispensáveis”. Diz o Papa que “uma Cúria que não faz autocrítica, que não se atualiza e que não tenta melhorar é um corpo doente”. Francisco fala da patologia do poder, “do complexo dos eleitos”, de todos aqueles que “se transformam em donos e sentem-se superiores a todos e não ao serviço de todos”. O possível remédio proposto por Jorge Mario Bergoglio é sem dúvida marcante: “Uma visita aos cemitérios nos poderia ajudar a ver os nomes de pessoas que talvez também pensassem ser imortais, imunes e indispensáveis!”.

A segunda é a “doença da laboriosidade excessiva”. Francisco lembra que Jesus também aconselhou seus apóstolos a “descansar um pouco”. Disse que para evitar “o estresse e a agitação” é necessário “passar tempo com a família, respeitar as férias”, utilizá-las para recuperar-se “espiritual e fisicamente”. A terceira doença é a do “endurecimento mental e espiritual”. Francisco adverte sobre os que têm um “coração de pedra”, se escondem atrás dos papéis e do gerenciamento e perdem “a sensibilidade humana”, a capacidade de amar ao próximo. A quarta doença é a da “excessiva planificação e funcionalidade”. O Papa diz – em uma mensagem dirigida talvez para os mais tradicionalistas da Igreja – que são necessárias “a frescura, a fantasia e a novidade” para não fechar-se “nas próprias posições estáticas e inamovíveis”. A quinta doença é a “má coordenação”. Francisco assegura que quando falta a colaboração e o espírito de equipe – “o pé que diz ao braço ‘não preciso de você’” – é quando chega “o mal-estar e o escândalo”.

A sexta doença que Francisco diz ter detectado na Cúria é a do “Alzheimer espiritual”: “Podemos vê-lo naqueles que perderam a memória do encontro com o Senhor (…) e dependem completamente de seu presente, de suas paixões, de seus caprichos e manias; (…) convertendo-se em escravos dos ídolos esculpidos por suas próprias mãos”. A sétima doença, “gravíssima” segundo o Papa, é a da “rivalidade e da vaidade”, quando “a aparência, a cor das roupas e as insígnias de honra se transformam no objetivo prioritário da vida”. Não é preciso dizer mais nada.

A oitava das 15 doenças é a “esquizofrenia assistencial”, sofrida por aqueles membros da Cúria que vivem “uma vida dupla”, que se dedicam aos assuntos burocráticos da Santa Sé perdendo o contato com a realidade das pessoas de carne e osso: “Acreditam assim em um mundo paralelo e vivem uma vida escondida e frequentemente dissoluta. A conversão dessas pessoas é urgente”.

As próximas doenças detalhadas pelo Papa não são exclusivas do interior do Vaticano. É possível dizer que são vírus espalhados universalmente. No ponto nove, um clássico nas falas de Francisco, fala do perigo da afeição em criticar e fofocar – “irmãos, vamos nos guardar do terrorismo das boatarias!” –, e o 10 enfatiza o perigo de “divinizar os chefes”, uma bajulação vital na qual tantos baseiam sua ambição de ascender, “pensando somente no que é possível obter e não no que se deve oferecer”. A doença número 11 é “a indiferença com os demais”, muito ligada também ao egoísmo, “quando cada um pensa somente em si mesmo e perde o calor das relações humanas”. A doença seguinte – a do “rosto fúnebre” – também costuma ser mencionada por Bergoglio, um Papa habitualmente com grande senso de humor: “O religioso deve ser uma pessoa amável, serena e entusiasta, uma pessoa alegre que transmite alegria. Como faz bem uma boa dose de humor”.

O Papa encerra seu diagnóstico sobre os males da Cúria – ainda que não somente da Cúria – advertindo sobre a “doença do acúmulo de bens materiais” – número 13 –, “a doença dos círculos fechados” – 14 – e, finalmente, a do “aproveitamento mundano, dos exibicionistas”, a daqueles que “transformam seu serviço em poder, e seu poder em mercadoria para obter ganhos mundanos ou ainda mais poder”.

Não deixa de ser significativo que, além de ler a cartilha para a Cúria, o papa Francisco quis também reunir-se com os trabalhadores do Vaticano. Com eles utilizou um tom e uma mensagem muito diferente: “Quero pedir-lhes perdão por meus erros e os dos meus colaboradores e também por alguns escândalos que causaram tanto dano: Me perdoem!”.

Anúncios

Um comentário sobre “Papa alerta sobre as 15 doenças que atingem o Poder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s